Cora Coralina

Cora Coralina. Pseudônimo de Anna Lins dos Guimarães Peixoto Bretas uma poetisa e contista brasileira. Considerada uma das mais importantes escritoras brasileiras, ela teve seu primeiro livro publicado e

Cora Coralina. Pseudônimo de Anna Lins dos Guimarães Peixoto Bretas uma poetisa e contista brasileira. Considerada uma das mais importantes escritoras brasileiras, ela teve seu primeiro livro publicado em junho de 1965 (Poemas dos Becos de Goiás e Estórias Mais), quando já tinha quase 76 anos de idade. Doceira de profissão, tendo vivido longe dos grandes centros urbanos, alheia a modismos literários, produziu uma obra poética rica em motivos do cotidiano do interior brasileiro, em particular dos becos e ruas históricas de Goiás.

Cora Coralina

A estrada da vida pode ser longa e áspera. Faça-a mais longa e suave. Caminhando e cantando com as mãos cheias de sementes.

A humanidade se renova no teu ventre. Cria teus filhos, não os entregues à creche. Creche é fria, impessoal. Nunca será um lar para teu filho. Ele, pequenino, precisa de ti. Não o desligues da tua força maternal.

A verdadeira coragem é ir atrás de seus sonhos mesmo quando todos dizem que ele é impossível.

Acredito nos jovens à procura de caminhos novos abrindo espaços largos na vida. Creio na superação das incertezas deste fim de século.

Aprendi que mais vale lutar do que recolher dinheiro fácil. Antes acreditar do que duvidar.

Bem por isso mesmo diz o caboclo: a alegria vem das tripas — barriga cheia, coração alegre. O que é pura verdade.

Criança periférica, rejeitada Teu mundo é o submundo.

Desistir… eu já pensei seriamente nisso, mas nunca me levei realmente a sério; é que tem mais chão nos meus olhos do que o cansaço nas minhas pernas, mais esperança nos meus passos, do que tristeza nos meus ombros, mais estrada no meu coração do que medo na minha cabeça.

É que tem mais chão nos meus olhos do que cansaço nas minhas pernas, mais esperança nos meus passos do que tristeza nos meus ombros, mais estrada no meu coração do que medo na minha cabeça.

Embora não possamos acrescentar dias à sua vida, podemos acrescentar vida aos seus dias.

Enfeitei de folhas verdes a pedra de meu túmulo num simbolismo de vida vegetal.

Estamos todos matriculados na escola da vida onde o mestre é o tempo.

Eu procuro semear otimismo e plantar sementes de paz e justiça. Digo o que penso, com esperança. Penso no que faço, com fé. Faço o que devo fazer, com amor. Eu me esforço para ser cada dia melhor, pois bondade também se aprende!

Eu sou a dureza desses morros revestidos, enflorados, lascados a machado, lanhados, lacerados. Queimados pelo fogo Pastados, calcinados e renascidos.

Eu sou a terra, eu sou a vida. Do meu barro primeiro veio o homem. De mim veio a mulher e veio o amor. Veio a árvore, veio a fonte. Vem o fruto e vem a flor.

Eu sou aquela mulher a quem o tempo muito ensinou. Ensinou a amar a vida e não desistir da luta, recomeçar na derrota, renunciar a palavras e pensamentos negativos.

Eu sou aquela mulher que fez a escalada da montanha da vida, removendo pedras e plantando flores.

Cora Coralina

Fechei os olhos e pedi um favor ao vento: Leve tudo que for desnecessário. Ando cansada de bagagens pesadas… Daqui para frente levo apenas o que couber no bolso e no coração.

Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina.

Fiz a escalada da montanha da vida removendo pedras e plantando flores.

Há muros que só a paciência, derruba…. Há pontes que só o carinho constrói!

Linhas cruzadas, sinuosas, interferindo no teu destino. Não te procurei, não me procurastes – íamos sozinhos por estradas diferentes.

Mais esperança nos meus passos do que tristeza nos meus ombros.

Me esforço para ser melhor a cada dia, pois bondade também se aprende.

Melhor do que a criatura, fez o criador a criação. A criatura é limitada. O tempo, o espaço, normas e costumes. Erros e acertos. A criação é ilimitada. Excede o tempo e o meio. Projeta-se no cosmos.

Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri, no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir.

Morta… serei árvore, serei tronco, serei fronde e minhas raízes enlaçadas às pedras de meu berço são as cordas que brotam de uma lira.

Nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas.

Não lamente o que podia ter e se perdeu por caminhos errados e nunca mais voltou.

Não morre aquele que deixou na terra a melodia de seu cântico na música de seus versos.

Não sei se a vida é curta ou longa demais para nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas.

Nas palmas de tuas mãos leio as linhas da minha vida

Nasci em tempos rudes. Aceitei contradições, lutas e pedras como lições de vida e delas me sirvo. Aprendi a viver.

Cora Coralina

O amigo não passa a mão Quando fizemos algo errado Está firme ao nosso lado Puxa a orelha, chama a razão!

O que importa na vida não é o ponto de partida, mas a caminhada.

O que vale na vida não é o ponto de partida e sim a caminhada. Caminhando e semeando, no fim terás o que colher.

O saber a gente aprende com os mestres e os livros. A sabedoria, se aprende é com a vida e com os humildes.

O saber se aprende com os mestres. A sabedoria, só com o corriqueiro da vida.

Poeta não é somente o que escreve. É aquele que sente a poesia, se extasia sensível ao achado de uma rima à autenticidade de um verso.

Procuro suportar todos os dia minha própria personalidade renovada, despencando dentro de mim, tudo que é velho e morto.

Quis ser um dia, jardineira de um coração. Cavei, plantei. Na terra ingrata nada criei.

Recria tua vida, sempre, sempre. Remove pedras e planta roseiras e faz doces. Recomeça.

Renovadora e reveladora do mundo. A humanidade se renova no teu ventre. Cria teus filhos, não os entregues à creche. Creche é fria, impessoal. Nunca será um lar para teu filho. Ele, pequenino, precisa de ti. Não o desligues da tua força maternal.

Se a gente cresce com os golpes duros da vida, também podemos crescer com os toques suaves na alma.

Se temos de esperar, que seja para colher a semente boa que lançamos hoje no solo da vida. Se for para semear, então que seja para produzir milhões de sorrisos, de solidariedade e amizade.

Todos estamos matriculados na escola da vida, onde o mestre é o tempo.

Cora Coralina